Um pouco de Hanói, Vietnã

Oii gente,

Se eu pudesse definir o Vietnã seria organização em meio ao caos. Com um dos trânsitos mais caóticos que já vi, até agora só perde para a Índia, atravessar a rua é uma verdadeira aventura. Em Hanói, capital do Vietnã, somos bombardeados por diferentes estímulos, sons e odores.

A cada esquina algo se destaca sob o nosso olhar ocidental. Esse foi o primeiro país comunista que conheci, com ruas amplas e arquitetura geométrica, há militares a cada esquina, a propaganda da polícia militar é clara: você não precisa da sua individualidade, o estado te protege e cuida de você.

Os templos e museus contam a história do comunismo no país de forma partidária, sempre pendendo para o lado da generosidade e compaixão, mesmo em momentos de extrema crueldade.

Confira o vídeo sobre um pouco de Hanói, Vietnã 

Em 1959, o Vietnã do Norte, sob regime socialista, iniciou uma luta contra o Vietnã do Sul pela reunificação do país. Os Estados Unidos temendo uma expansão do socialismo no Sudeste Asiático entrou no conflito em defesa do Vietnã do Sul, intensificando a Guerra do Vietnã. Tropas estadunidenses lançaram bombas químicas, provocando a destruição de áreas agrícolas e de florestas, além de milhares de mortes.

Na década de 1990 o governo nacional realizou reformas na política econômica e com isso, o Vietnã, que possui governo comunista, passou a atrair capitais estrangeiros, com investimentos do Japão, Estados Unidos e China.

O Vietnã possuía uma economia baseada no setor agrícola, sobretudo na produção de arroz, que ao longo dos anos se expandiu para o setor industrial, com destaque para a produção de calçados, roupas, brinquedos e produtos eletrônicos.

Um beijo,

Fê Toyomoto.

Anúncios

Museu das Mulheres Vietnamitas | Hanói, Vietnã

Oii gente,

Na guerra do Vietnã o país se dividiu em dois: o Vietnã do Norte, comandado por Ho Chi Minh, comunista pró União Soviética, e o Vietnã do Sul, uma ditadura militar que passou a ser aliado dos Estados Unidos e, portanto, com um sistema capitalista, onde muitas mulheres tiveram participação ativa na guerra.

O Museu das Mulheres Vietnamitas, em Hanói, possui 5 andares, com mais de 20 mil objetos de uso das mulheres vietnamitas: roupas, joias, posters, ferramentas de trabalho, tudo o que compõe o cotidiano das mulheres. Cada andar do museu é dedicado a um aspecto da vida da mulher vietnamita: casamento, família, moda, guerra e trabalho.

Confira o Museu das Mulheres Vietnamitas ❤

A batalha pela reunificação do país não poderia ter acontecido sem o sacrifício das mulheres. Elas perderam maridos e filhos e lutaram como podiam. No período da guerra, elas tinham uma vida subterrânea: escolas, creches, tinham filhos, tudo debaixo da terra.

Em dezembro de 2008, quase 50 mil mulheres receberam o título de “Mães heroicas do Vietnã” e “Herói das Forças Armadas Populares”. Além do título, elas também receberam casa e pensão.

Uma das tradições vietnamitas é a tecelagem. Cabia aos homens fazer os teares e às mulheres, cultivar o algodão, tecer o pano e costurar para toda a família. As mulheres também tinham o hábito de costurar os seus próprios vestidos de casamento, além dos presentes para a família do noivo como travesseiros, roupas e cobertores.

O algodão é o tecido mais popular e preferido dos vietnamitas. A seda é reservada para os trajes festivos e elegantes. Cada grupo pode ser reconhecido pela indumentária, que reflete a identidade e o ambiente daquele povo.

Além das exposições permanentes, o Museu também desenvolve projetos e exposições itinerantes sobre temas do universo feminino.

Vale muito a pena conhecer o museu e a história dessas mulheres inspiradoras!

Museu das Mulheres Vietnamitas
Onde:  36 Lý Thường Kiệt, Hàng Bài, Hoàn Kiếm, Hà Nội, Vietname
Quanto: 30.000 dong (cerca de 2 dólares).

Um beijo,

Fê Toyomoto.